22ª Bienal do Livro SP: Eu fui!

11 de agosto de 2012

Ontem eu fui conferir a 22ª Bienal do Livro de São Paulo. Como tinha dito antes, queria ter ido na quinta, mas era um dia para a imprensa e Mercado Editorial. Porém só no fim do dia que descobri que podia ter ido pois a visitação estava livre também.

É a primeira vez que visito a Bienal de São Paulo então a expectativa era, digamos, interessante. Mas eu meio que já sabia o que esperar dela. Bom, cheguei bem no início da feira por volta das 10:15, queria aproveitar o máximo. O problema de ir nos dias da semana é que está cheio de estudantes por conta das visitações escolares, mas nada que possa ser insuportável. Mesmo assim, ainda acho melhor do que nos fins de semana.

A feira ocupa o Pavilhão de Exposições do Parque Anhembi e está organizada por ruas. Criei um método para ir “desbravando” a Bienal e conhecendo os estandes. Aproveitei para dar uma olhada em alguns preços e conhecer os lançamentos das editoras. Aproveitei também para tirar fotos dos estandes das editoras mas conhecidas e o que elas traziam de interessante.

É claro que as editoras mais conhecidas e com os livros que estão na “estante” do povo estavam mais cheias. A Livraria Saraiva estava dizendo que o estande dela era o maior da feira. Se olharem nos mapas da Bienal verão que não. Só se somar os dois estandes do Grupo Saraiva, aí sim ela seria maior. Outros estandes capricharam na decoração. A Companhia da Letras estava toda enfeitada ontem por conta das fitinhas, iguais as fitas do Senhor do Bonfim da Bahia com frases dos livros de Jorge Amado em comemoração aos 100 anos de nascimento do autor.

O espaço Deu a Louca nos livros do estande do Instituto pró-livro esta muito fofo com seus cenários para as histórias que são criadas na hora a partir do imaginário do visitante com a orientação dos monitores. Sai as mais diversas histórias e depois da narrativa o visitante pode “ilustrar” a história.

Há coisas legais o tempo todo acontecendo na feira. Lá no estande da Editora Novo Conceito conversei com o Carlos Eduardo do blog Loucos por Leitura sobre a Bienal, livros e blogs, além de ele ter dado dicas da feira e das atrações do dia. Assisti um espetáculo de mamulengos na Cortez Editora e um grupo de alunos-cantores do CEU Quinta do Sol que arrasaram, à propósito,  no espaço da Secretaria de Educação de SP. Queria ter assistido também o bate-papo com a ilustradora Eva Furnari, mas seria às 16:oo horas e já estava muito cansada e com muito peso, então acabei indo embora por volta dessa hora. Nos finais de semana a programação da feira é mais intensa por conta das mesas de autógrafos e bate-papos. Então é mais fácil encontrar seu autor predileto por lá.

Enquanto visitava a feira encontrei uma fila para autógrafos com uma figura bem interessante que fez parte da infância  de muita gente, e ainda faz. Personagem do programa mais visto pelos jovens de ontem e hoje: Seu Barriga. Ele estava autografando livro do chaves que teve lançamento na Bienal.

As impressões:

  • Gente, a Bienal do Rio de Janeiro é beeeeemmmm maior. além de achar bem mais legal. Chega a ocupar 2 a 3 pavilhões do Riocentro. Não conseguiria visitar em um dia a feira.
  • Senti falta de muitas editoras, livrarias e alguns selos internacionais (posso estar enganada nas ausências). Quer um exemplo: não vi estande da SBS. E acho que duas grandes livrarias de São Paulo poderiam ter marcado presença, como a Livraria da Vila e a Livraria Cultura.
  • Onde estavam os livros em inglês ou em outras línguas??? Sei que é uma feira para ajudar a difundir a leitura e a criação literária brasileira, mas seria legal ter variedades para todos os gostos, além do mais há uma grande comunidade de imigrantes estrangeiros  que moram na cidade de SP.
  • Para quê aquele número de estandes, com aquele número enorme de pessoas para vender assinaturas? Gente, o passeio  teria sido bem mais tranquilo e sem chateações se não tivesse os estandes que vendiam assinaturas de revistas. Chegava a ser chato passear pelos corredores da feira e ser importunado pelo pessoal. Perdi a conta de quantas vezes isso aconteceu. Podiam ter aproveitado esses espaços para fazer outras coisas ou dar lugar à outras editoras.

As compras:

Na medida que ia visitando os estandes, aproveitava para fazer algumas comprinhas, pesquisando e pechinchando alguns preços. O que eu via que poderia ser interessante e com bom preço, comprava. Algumas pessoas acreditam que comprar na Bienal é uma forma de garantir preços bons. Não, não é o melhor lugar. Tenham certeza que ainda podem achar melhor encontrar preços bons em livros nas promoções do Submarino. Tipo como eu fiz, comprando a trilogia de Jogos Vorazes por apenas R$49,90 (os três livros). Promoção boa na Feira, vocês só vão encontrar no último dia, depois das 17:00. Aí sim, mas em compensação é pior do que a 25 de Março em véspera de Natal.

É claro que há promoções legais como 10% e 20% de desconto, ou alguns livros que não vendem tanto com preços legais, mas não acham que vão encontrar promoções inacreditáveis em livros novos, de grande sucesso ou lançamentos.

Antes de falar das aquisições, quero contar que tudo o que tinha planejado para a visitar a feira, acabei esquecendo de fazer. Só não esqueci a cabeça porque não sei. Tinha montado uma lista de desejos e acabei deixando ela em casa, assim como caneta e um caderninho para anotar as impressões da Bienal. Fui usando a minha memória mesmo e acabei comprando o que não estava na lista e esquecendo o que realmente queria.

  • E Apaixonadas por Palavras acabei comprando depois do bate-papo e tarde de autógrafos que acabei assistindo com a própria Paula Pimenta. Foi bom, que conheci um pouco mais da autora e de suas obras.
  • Por fim, como já tinha falado aqui nesse post, esse mês o Prateleira de Cima está em comemoração pelo lançamento da nossa lojinha online e por isso tem Sorteio Literário do livro Cinquenta Tons de Cinza que é o grande lançamento no mercado literário. Por conta, comprei dois exemplares; um para mim e outro para o ganhador do sorteio que está rolando até o dia 31/08 aqui no blog. Aproveitem e participem pois além do livro, o ganhador vai levar, mais 2 marcadores de livro, um livreto com as primeiras páginas do livro e um bottom  do livro “A Casa das Orquídeas”. Não esqueça de divulgar o sorteio, publicando a seguinte frase no Twitter:

 O Prateleira de Cima irá à 22ª Bienal do Livro e trará Cinquenta Tons de Cinza para mim! #50TonsDeCinza #sorteio http://www.karinparedes.com/sorteio-bienal-livro/

Espero ter conseguido passar um pouquinho do que vi lá na feira para vocês. A 22ª Bienal do Livro de São Paulo é um ótimo passeio para toda a família, com programação e livros para todos os gostos e idades. Vale a pena passar algumas horas e aproveitar o que há de melhor no mundo literário.

Veja também

12 comentários no blog
comentários pelo Facebook

  • Reply Thaís Gisele (Sweet-Lemmon) 12 de agosto de 2012 at 00:31

    OI, bem legal o seu post. Eu fui hoje na Bienal e aproveitei bastante. Qto a do Rio ser maior, é apenas impressão, pois a do Rio é + “espalhada”. A de SP tem mto mais estandes. Não reparei na SBS pra ser sincera (mas todos os anos anteriores ela estava lá) e tinha estandes de livros em Francês e Espanhol, além da Disal.
    Também acho um saco esse povo das assinaturas!
    bjos!

  • Reply cinthia 12 de agosto de 2012 at 00:38

    vc pode me dizer por quanto vc pagou pelo estátuas de sal?

    • Reply Karin 12 de agosto de 2012 at 10:26

      Oi Cintia, não tenho certeza no momento, mas foi entre R$25 a R$29.

  • Reply Natália 14 de agosto de 2012 at 11:10

    Fui na Bienal no sábado, saí de lá meio que falida, mas eu achei super bacana poder comprar 4 biografias por R$ 120,00, no estande da Leya! <3
    hahaha

    Essa foi a terceira vez que fui na Bienal. Agora tô curiosa para conhecer a do Rio!

    • Reply Karin 14 de agosto de 2012 at 11:33

      Eu vi a pilha de livros no Instagram. Eu fui e me deu arrependimento de não ter comprado mais livros, deixa para a próxima.

  • Reply Endryelle Santos 16 de agosto de 2012 at 09:58

    Aii, que sonho! Aqui no Sul, o evento mais prestigiado é a Feira do Livro de Porto Alegre, mas não chega nem perto da Bienal do Rio e de SP. Espero que um dia eu consiga visitar uma delas *-*

    Beijo grande :*

  • Reply ayla 23 de agosto de 2012 at 21:36

    queria ter ido :/

  • Reply carlos eduardo 4 de setembro de 2012 at 11:48

    Muito obrigado pela citação é uma honra, adorei seu blog.

  • Reply Meme Literário de Um Mês – Dia #01 – Que livro você está lendo? | Prateleira de Cima 1 de outubro de 2012 at 19:00

    […] uma aquisição da Bienal de SP (post aqui) que estava com um precinho bem camarada. É o primeiro livro da Martha Medeiros que leio e estou […]

  • Reply Eu li: Divã | Prateleira de Cima 9 de novembro de 2012 at 12:40

    […] que leio como um pequeno refresco entre a leitura de dois livros mais extensos. Comprei o livro na Bienal de SP quase que de graça (não tenho certeza do valor, acho que foi entre R$3 e R$5). Comprei pela […]

  • Reply Eu li: Apaixonada por Palavras, de Paula Pimenta | Prateleira de Cima 13 de novembro de 2012 at 14:49

    […] última Bienal de SP, enquanto visitava, descobri que a Paula Pimenta iria fazer um bate-papo e também autografar a sua […]

  • Reply Desafio Literário 2012: Cotoco | Prateleira de Cima 30 de novembro de 2012 at 22:20

    […] ler esse livro. Achava interessante a capa, e o nome também me instigava. Daí, na minha ida a Bienal de SP 2012 encontrei a obra por apenas R$ 8,00 e acabei […]

  • Deixe seu comentário