DUFF, de Kody Keplinger

11 de julho de 2016

DUFF

Ahhh gente! Não sei o que falar dessa leitura. Só sei dizer que amei! E não quero parecer repetitiva, mas queria esses livros quando eu tinha 15 anos. Sério! Como teria tido uma adolescência mais feliz se eu tivesse lidos mais livros como esse. Ainda bem que ler não tem faixa etária e posso ler o que eu quiser quando quiser, rsrsrs. Confira a sinopse:

Em um grupo de amigas, a DUFF – sigla para Designated Ugly Fat Friend – é aquela que não se destaca, a menos atraente da turma. Ela não se enquadra nos padrões de beleza tradicionais, ou se preocupa menos com o visual, mas nem por isso deixa de ter seus encantos. Bianca Piper é esse tipo de garota. E estava muito bem, até que Wesley Rush, o pegador da escola, veio puxar conversa dizendo que ser legal com a DUFF o ajudaria a se dar bem com suas amigas Casey e Jessica. A partir de então, Bianca começa a se questionar: ela seria a amiga feia?

As vantagens e as desvantagens de ser uma DUFF, o que leva alguém a pensar que é uma e outras dúvidas começam a ocupar os pensamentos de Bianca e só não dominam sua cabeça porque ela tem problemas maiores. O casamento de seus pais não vai bem e no dia em que ela descobre que eles estão se divorciando, decide sair com suas amigas para esquecer. Enquanto Casey e Jess se divertem, Bianca encontra Wesley e, num impulso, o beija.

Os dois começam uma espécie de inimizade colorida. Bianca acha Wesley um galinha, que se aproveita da beleza e do dinheiro para ficar com o maior número de meninas possível, mas, no fundo, sente-se atraída por ele. Wesley é um cara amigável e não perde uma oportunidade de ficar com ela, ainda que continue chamando Bianca de DUFF. Com a convivência, os dois descobrem que as aparências enganam.

Bianca Piper é uma protagonista independente, boa aluna, cínica e descolada. Com senso de humor e diálogos afiados, Kody Keplinger criou um romance sobre a amizade e o amor próprio, que aborda com leveza questões como a competição entre as meninas e a importância dada às aparências. Ao enfrentar seus problemas, Bianca amadurece e descobre que os rótulos que colocamos uns nos outros são armadilhas muito perigosas.

DUFF figurou em segundo lugar na lista do New York Times de Young Adult, além de ter estreado nos cinemas brasileiros em 2015.

Fonte: Globo Alt

DUFF

Estava muito ansiosa por essa leitura quando soube que a Globo Alt havia publicado. Comprei o livro aproveitando um descontinho que eu tinha na Saraiva. E então tratei logo de começar a ler.

Gostei do livro. É uma história simples, leve e envolvente. Keplinger consegue mostrar através de sua escrita as aflições do mundo adolescente e como nos sentimos nessa época de nossas vidas.

Os personagens possui características interessantes e parece que a autora conseguiu trazer todos aqueles diferentes tipos de adolescentes que nós conhecíamos e os colocou no papel de cada personagem dessa história. É estranho, a gente consegue facilmente nos ver nas situações descritas no livro ou pelo menos conheceu alguém parecido com um dos amigos de Bianca.

DUFF

Sobre o suporte livro, não tenho muito o que falar. Publicado pelo selo Globo Alt, da Globo Livros, DUFF mantém o estilo de diagramação e design já característico da editora. Curti muito a capa que ficou mais bonita do que a capa americana, com essa cor roxa e detalhes em preto e amarelo.

DUFF

A história já foi adaptada para as telonas, mas ainda não conferi o filme. Disseram que a narrativa está diferente e para alguns para o bem e para outros para o mal. Para quem tiver interesse, está disponível no Netflix.

Recomendo o livro para todos que querem uma leitura leve, divertida e sem muitas pretensões.

E vocês já leram o livro ou assistiram ou filme?  O que acharam? Me conte nos comentários.

DUFF – Designated Ugly Fat Friend
Autor: Kody Keplinger | Tradutor: Dalton Caldas | Editora: Globo Alt
Páginas: 320 | ISBN:9788566636802
Skoob | Goodreads

Para ler: Amazon | Saraiva | Submarino | Livraria Cultura


Mil beijos e até mais!

Veja também

Nenhum comentário no blog
comentários pelo Facebook

Deixe seu comentário