Fale!, de Laurie Halsen Anderson

16 de junho de 2017

Fale!, de Laurie Halsen Anderson

“Fale sobre você… Queremos saber o que tem a dizer.” Desde o primeiro momento, quando começou a estudar no colégio Merryweather, Melinda sabia que isso não passava de uma mentira deslavada, uma típica farsa encenada para os calouros. Os poucos amigos que tinha, ela perdeu ou vai perder, acabou isolada e jogada para escanteio. O que não é de admirar, afinal, a garota ligou para a polícia, destruiu a tradicional festinha que os veteranos promovem para comemorar a chegada das férias e, de quebra, mandou vários colegas para a cadeia. E agora ninguém mais quer saber dela, nem ao menos lhe dirigem a palavra (insultos e deboches, sim) ou lhe dedicam alguns minutos de atenção, com duvidosas exceções. Com o passar dos dias, Melinda vai murchando como uma planta sem água e emudece. Está tão só e tão fragilizada que não tem mais forças para reagir. Finalmente encontra abrigo nas aulas de arte, e será por meio de seu projeto artístico que tentará retomar a vida e enfrentar seus demônios: o que, de fato, ocorreu naquela maldita festa?
Fonte da sinopse Editora Valentina

Fale! é um livro amplamente discutido no currículo de alunos americanos e vencedor do prêmio de melhor livro do ano concedido pela School Library Journal. O que faz de Fale! Um livro tão incrível? É que apesar do título ele trata justamente do contrário, ele fala sobre o silêncio de uma garota e como o silêncio pode moldar vidas.

Tem um monstro nas minhas entranhas, posso até ouvi-lo arranhando minhas costelas. Mesmo quando descarto a lembrança, ela continua comigo, me ferindo.

Melinda a protagonista era uma garota normal, até participar de uma festa de veteranos que comemoravam o início das férias de verão; um lugar onde só tinham adolescentes e a bebida era liberada, antes do termino da festa Melinda liga para a polícia e acaba como a dedo duro que estragou a festa.

A partir da fatídica festa Melinda muda, torna-se mais introspectiva, comas aulas voltando e as pessoas na escola não sendo um modelo de receptividade, Melinda fala cada vez menos e deprimida cada vez mais, essa boa de neve de sentimentos e dias escolares  nos tira a paz e nos faz seguir num ritmo alucinado pagina a página para saber o que diabos aconteceu (até dá pra desconfiar do que aconteceu, mas queremos saber como e quem estava envolvido).

As plantas produzem muito mais sementes do que precisam, porque sabem que a vida não é perfeita e que nem todas vão germinar.

A narração é em primeira pessoa, segue os dias na escola e os pensamentos da personagem, com pais relapsos que não prestam atenção a vida da garota ( se importando e exigindo apenas boa notas) é na aula de artes que Melinda começa a processar que precisa fazer algo para sair do desespero em que vive; é aí que o professor Freeman aparece e ganha destaque, ele é um professor que acredita que dar voz aos seus alunos os tornarão seres humanos melhores.

Meus pais não me deram uma educação religiosa. O que a gente mais chega perto de louvar é a trindade Visa-MasterCard-American Express.

Com um plot real o livro nos faz perceber o quanto é difícil encontrar alguém que escute, então se você passa ou passou por uma situação semelhante Fale! Se preciso grite; mesmo que trate de um tema pesado Melinda não é só a vítima triste há diversas passagens no livro que vamos rir com o sarcasmo dos pensamentos dela.

Fale!

A edição brasileira tem extras que são tão importantes quanto o assunto do livro, tem um número de telefone no Brasil que é um canal de ajuda as pessoas que necessitarem, além de questões para discussões em sala de aula ou reflexão após o termino do livro. Se você ficou muito curioso e não dá para correr agora até a livraria mais próxima a boa notícia é que o livro foi adaptado para o cinema como o nome de “ O silêncio de Melinda” e está disponível no youtube.

Fale!
Autora: Laurie Halse Anderson | Editora: Valentina
Páginas: 247 | ISBN: 9788565859073
GoodreadsSkoob

Para ler: Amazon | Saraiva


Ósculos e Amplexos, Karina.

Veja também

Nenhum comentário no blog
comentários pelo Facebook

Deixe seu comentário