Frustração em não ler e outros devaneios

16 de março de 2016

20151213_105941

A foto aí de cima é a minha estante de livros. 90% deles eu ainda não li, tem uns que ainda nem tirei da embalagem plastica protetora. E isso é grave, muito grave. E também frustrante. Pura frustração

Esse meu pequeno acervo cresceu nos últimos anos, muito disso porque agora eu posso adquirir os meus livros. Porém tempo era algo raro na minha vida por causa da faculdade. O cotidiano estava tão apertado e cansativo que o pouco tempo que me sobrava era para descansar, vulgo sonecas em momentos que eu estava em trânsito ou antes das aulas da faculdade.

Gosto de ler, amor ler. É um sentimento de satisfação maravilhoso. Conhecer histórias, aprender inúmeras de lugares reais e imaginários, imergir em mundos desconhecidos e ampliar nosso conhecimento sobre o mundo e sobre a vida. Mas esse ato está sendo um pouco frustrante para mim.

Tenho tantos livros para ler que tenho ficado meio perdida, não sei o que ler primeiro, o que deixo para depois, se leio algo que ainda não tenho na estante. Fico lendo o livro atual, já imaginando o próximo. Na verdade

Acho que toda essa frustração tem acontecido por causa das metas que coloquei para esse ano. Coloquei metas muito rigorosas para mim em 2016: terminar uma leitura desejada e iniciada há muito tempo, conseguir ler pelo menos 52 livros nesse ano, diminuir a pilha de livros “para ler”. As metas tornaram as leituras algo obrigatório e não prazeroso. E isso não está certo. Não está!

Comecei uma leitura no início do ano que não desenvolve. Sério, tem horas que quero desistir e abandoná-la, mas aí lembro que estou sendo fraca, que a leitura é boa e estou fazendo corpo mole e que preciso me esforçar para ler ~ e que sou brasileira e não desisto nunca. Mas hoje parei para pensar e então descobri que estava fazendo a coisa errada. Toda errada.

Para começar, ler é meu hobby, meu momento de prazer, meu estado de espírito em elevação e satisfação. Como assim estou fazendo algo que amo sentindo essa culpa e essa obrigação? Não pode gente. Então decidi não me cobrar, não me obrigar a fazer algo que não está dando certo para mim no momento.

E pensando melhor, percebi que tenho feito isso com algumas coisas em minha vida também. Deixei de sentir prazer nas coisas que gosto de fazer e tenho feito quase que por obrigação. Passo o dia todo freneticamente pensando nos meus prazos e compromissos e no final não consigo aproveitar os momentos. Sem contar a questão da procrastinação pelo simples fato da insatisfação. Mas isso é assunto para outro post. Isso não pode acontecer minha gente. Temos que fazer aquilo que nós gostamos pelo simples fato de nos fazer bem.

Então, se você percebeu que está fazendo esse tipo de coisa, apenas pare. PARE agora mesmo e reflita sobre. Não é certo e não é justo com nós mesmos fazermos coisas por obrigação. E tá permitido dá um tempo nos hobbies para descansar e poder sentir saudades e voltar a seu um momento de prazer e alegria, viu? Super recomendo a leitura desse post aqui, escrito pela Ba Moretti, que é um guia de como usufruir uma “Zona de conforto da procrastinação” após resolver as ~ tretas da vida ~ e as tarefas do dia a dia. Mas acho também que esse guia pode servir como um pequeno período sabático, período de reflexão. Pode ser usado para um período de afastamento para “sentir saudade”, tipo quando nossa mãe fala pra gente nos afastar um pouco do namorado para dar saudade.


Mil beijos e até mais!

Veja também

9 comentários no blog
comentários pelo Facebook

  • Reply Débora 17 de março de 2016 at 18:49

    Realmente qualquer coisa por obrigação não dá certo. É algo chato de se fazer e a gente só fica desejando que termine logo.

  • Reply Camila Faria 22 de março de 2016 at 13:06

    Isso de ter “metas” de leitura nunca funcionou pra mim Karin. Acaba virando obrigação, e nossa… ler é uma coisa tão gostosa, que é até um pecado quando ela se transforma em algo-a-cumprir simplesmente. E tem tanta coisa boa aí nessa sua estante! Boa sorte nesse recomeço! 🙂

  • Reply Stéfhanie 28 de março de 2016 at 12:10

    Nossa mente tem essa coisa de nos bloquear quando fazemos algo só por obrigação e isso é tão chato.
    Leia com menos pressa, aprecie cada parágrafo sem pensar no próximo.. Eu sei que isso deve ser difícil, mas acho que valerá a pena! Cada livro tem seu incrível dele, e é uma pena não apreciarmos isso.

    • Reply Karin Paredes 24 de abril de 2016 at 11:19

      Anotei algumas dicas suas e a leitura começou a fluir de novo. Finalmente consegui terminar o livro.
      Mil beijos

  • Reply Luciana 30 de março de 2016 at 18:21

    hahaha~ olha, há dois anos eu passei pela mesma coisa.
    simplismente tive que fazer uma promessa pro santo das causas impossiveis, pra ver se parava de adquirir livros até conseguir ler tudo que eu tinha nas prateleiras!
    Com ajuda do santo (e do namorado!) consegui nao comprar mais, e to lendo tudo que tenho. Como são muitos eu marco com uma bolinha adesiva verde, pra não confundir! hahahaha~
    Mas vai dar tudo certo, e você vai ler odos os seus filhotinhos <3

    • Reply Karin Paredes 24 de abril de 2016 at 11:21

      Luciana, estava indo muito bem na promessa de não comprar mais livros, mas falhei lindamente nesse mês de abril.
      Acho que não conseguirei me livrar desse vício tão cedo.
      Valeu pela dica das bolhinhas, já anotei tudo.
      Mil beijos!

  • Reply Re Vitrola 3 de abril de 2016 at 21:40

    Eu te entendo, totalmente. XComigo foi assim com ilustras.
    É algo que eu amo fazer, mas não tava fazendo e explorando como eu deveria. Fazia pro trabalho, mas pra mim mesmo, não tava fazendo. Não postava no blog. Não fazia nada que ME desse prazer. Ficava adiando, adiando… mas resolvi mudar isso de uma vez por todas, e tô cada vez mais feliz e aliviada por isso. Vou ler o texto da Ba pq já sei que vou amar.

    Um bj,
    Re

    • Reply Karin Paredes 24 de abril de 2016 at 11:24

      O que acontece, Re???
      Sei lá parece que você quer tanto que aquilo que se dispôs a fazer dê tão certo, que acaba fracassando.
      Parar para refletir sempre ajuda a encontrar o caminho certo.
      Ando fazendo as coisas no automático e isso não estava sadio, mas já estou tomando um novo rumo com uma nova perspectiva.
      Mil beijos!!!

    Deixe seu comentário