Orgulho e Preconceito, da Jane Austen

18 de agosto de 2017

Orgulho e Preconceito, da Jane Austen

A fama é certa: o livro mais famoso da Jane Austen realmente é maravilhoso. Vou recomendar para todo mundo que gosta de ler, para todo mundo que gosta de romance, para todo mundo que curte livros, para todo mundo que gosta de histórias bem escritas, para todo mundo que um dia pensou na vida em ler. Por favor, leiam Orgulho e Preconceito. Por favor, leiam Jane Austen

Na Inglaterra do final do século XVIII, as possibilidades de ascensão social eram limitadas para uma mulher sem dote. Elizabeth Bennet, de vinte anos, uma das cinco filhas de um espirituoso mas imprudente senhor, no entanto, é um novo tipo de heroína, que não precisará de estereótipos femininos para conquistar o nobre Fitzwilliam Darcy e defender suas posições com perfeita lucidez de uma filósofa liberal da província. Lizzy é uma espécie de Cinderela esclarecida, iluminista, protofeminista. Neste livro, Jane Austen faz também uma crítica à futilidade das mulheres na voz dessa admirável heroína – recompensada, ao final, com uma felicidade que não lhe parecia possível na classe em que nasceu.
Fonte da Sinopse: Companhia das Letras

Orgulho e Preconceito é um masterpiece. É uma jóia da literatura mundial. Quem curte literatura romântica, quem curte o gênero de um modo geral,  precisa ler esse livro. Não só pelo conteúdo, mas pela forma. Pela sagacidade que a autora conseguiu transmitir através do seu texto, dos diálogos, da descrição que traz da sociedade na qual relata nas linhas desse romance.

O livro foi o meu segundo contato com a obra escrita da Austen. Ele é simples, envolvente e uma história de amor encantadora. Conseguimos ver o padrão de escrita da Jane Austen e seu tom irônico e sarcástico, narrando os problemas existentes na sociedade em que vivia ao longo de todo o livro.

Os personagens tem uma construção simples porém cada um possui características bem marcadas. Como não rir com a Sra. Bennet ou querer dar umas palmadas na Lydia. E o Sr. Bennet, que não conseguimos decifrar. Ahhh! Sem contar as raivas que a gente tem da Lady Catherine de Bourgh, tia do Sr. Darcy. E o Sr. Darcy, ahhhh, não tem como não nos apaixonarmos pelo Sr. Darcy. Ele é um romântico a sua maneira e esse seu jeito, caladão, misterioso e ativo que o torna um cavalheiro de primeira linha. E Elizabeth é uma personagem criada para ser uma heroína a sua maneira e como convinha a história: personalidade forte e decidida.

Uma coisa complicada durante a leitura foi deixar de associar os personagens com os atores que interpretaram no filme (no qual falhei totalmente). Era impossível ler o livro sem lembrar da atriz Keira Knightley como Elizabeth e o Matthew Macfadyen como Sr. Darcy. Sem contar os outros personagens que lembro do filme.

Em falar do filme, eu assisti, mas sempre em pedaços. Nunca do início ao fim. Mesmo assim, lembrava (e associava) dos personagens, dando-lhe os mesmos rostos do filme ao longo da minha leitura. Quem viu filme (e lembra dele), perde um pouco do encanto da leitura, mas nada muito comprometedor a ponto de fazer o leitor querer parar de ler o livro. A narrativa é diferente no filme e no livro. Cada um possui características que a outra arte nunca irá conseguir superar.

Recomendo fortíssimo a leitura de Orgulho e Preconceito, da Jane Austen. Se não leu ainda, por favor, corra e começa a leitura hoje mesmo. É um clássico que deve ser lido por muitas e muitas gerações de apaixonados por livros e leitura.

Orgulho e Preconceito (Pride and Prejudice)
Autora: Jane Austen | Editora: Companhia das Letras
Páginas: 576 | ISBN:9788563560155
Skoob | Goodreads

Para lerAmazon | Saraiva


Mil beijos e até mais!

Veja também

1 comentário no blog
comentários pelo Facebook

  • Reply Isa 19 de agosto de 2017 at 23:01

    esse é um rombão na minha formação, sabia? nunca li! preciso arrumar isso urgentemente!

  • Deixe seu comentário