Parem de perguntar sobre filhos aos casais

24 de agosto de 2017

Parem de perguntar sobre filhos aos casais

Ou porque (ainda) não tivemos filhos.

Eu sei que esse é um assunto muito polêmico e delicado. Sei que muita gente irá querer me abraçar forte e longamente depois de ler esse texto/desabafo. E sei que vai ter gente que vai querer me ver queimando no fogo do inferno, juntamente com o que está escrito, porque simplesmente não entendeu o que quis dizer nas próximas linhas. Mas esse post é um assunto que há alguns meses queria escrever e sei que muita gente sente o mesmo que eu. Vou aproveitar e dizer que esse texto será longo, comprido e que precisará de mais do que 5 minutos para ler e digerir todas as palavras que quero desentalar da minha garganta a respeito de ter filhos.

Quero deixar claro que não pretendo ofender ninguém com minhas posições e minha opinião sobre esse assunto. Respeito cada escolha que você, caro leitor, tenha. Esse texto é para abrir um pouco o meu coração, desabafar, esclarecer, apesar de não precisar dar satisfação a ninguém sobre minhas decisões (nesse caso, minha e do Eduardo) em relação a filhos. Pode ser que o que acho aqui, seja pura ilusão, que estou completamente enganada em relação a ter filhos. Pode ser sim! Pode ser que amanhã tudo que está aqui se torne totalmente obsoleto, porque a vida, minha gente, ela é imprevisível e cheia de surpresas.

Para começar, vou contar uma pequena historinha sobre mim. Quando a gente é jovem, adolescente, com nossos 14, 15 anos, a gente sonha. A gente sonha muito. A gente sonha pra caral***. A gente acha que a vida adulta é plena e cor de rosa. Se você que está lendo isso aqui está nessa idade, saiba que a vida é maravilhosa, sim. Ela é fantástica, mas muito, muito, muito diferente do que você está imaginando. Pois bem! Quando eu tinha essa idade, eu tinha esse pensamento, como qualquer adolescente. Eu achava que ser adulto era me livrar das amarras, que seria livre, que a minha vida seria um pequeno roteiro de filme de comédia romântica com final feliz. Eu imaginava e (também planejava) que iria terminar o Ensino Médio, começar a faculdade, comprar o meu apartamento e o meu carro, ter sucesso na carreira, conhecer uma pessoa legal, nos apaixonar, ter um casamento digno de princesa, viajar muito, ter dois filhos , alcançar a felicidade plena e isso tudo, antes dos 28 anos.

Ufa! que sonho de vida, não é mesmo? Claro que isso não é impossível. Que sim, isso pode acontecer. Mas a vida não aconteceu dessa forma para mim. Terminei o ensino médio, comecei a faculdade 2 vezes e parei; depois de vários namoros, conheci uma pessoa legal, nos apaixonamos, mudamos de estado, vivemos por muito tempo de aluguel, não casamos (mas pretendemos um dia), financiamos um apartamento por 30 fucking anos, estamos cheio de dívidas de financiamentos e empréstimos e contas para pagar todo mês, terminei a faculdade apenas há um pouco mais de 1 ano, viajamos uma única vez nesses quase 10 anos juntos, não tenho carro e ainda não sei dirigir! E estou próxima a completar 32 anos.

A minha vida adulta não começou da forma como planejei e sonhei lá na adolescência. O caminho é um pouco mais longo e diferente do que imaginei que seria. E por isso que filhos ainda é um desejo para daqui muitos anos a frente.

Eu e Eduardo namoramos há quase 10 anos e moramos juntos há 7. Já tinha noção que assim que eu terminasse a faculdade, as cobranças em relação a filhos iriam começar. Realmente começaram e essa é uma das coisas mais incômodas, inconvenientes e chatas que temos que passar nas rodas de amigos, nas reuniões de família ou nas raras conversas com estranhos. E por mais que explique, a empatia passa longe para que as pessoas compreendam a nossa posição e a de muitos casais que conheço que optaram não ter filhos ou que ainda não é o momento desejado para aumentar a família.

Ter filhos não é tão simples quanto as pessoas que, muitas vezes, estão de fora, acham que são. É muito fácil falar: Ahhh quando é que vem o baby? Eu já fui essa pessoa e tenho enorme vergonha disso. Ainda bem que amadurecemos. Quando a assunto surge, apenas pergunto se há o desejo: se a resposta for positiva ou negativa apenas digo “que bom” porque as duas possibilidades são maravilhosas para o casal. Eles que sabem o que é melhor para eles, a hora certa. Sabemos o quanto bebês são maravilhosos na vida de um casal. Tenho irmãos menores e lembro da alegria em ambas as casas quando eles chegaram, mas lembro também das responsabilidades, dificuldades e desafios que eles trouxeram.

Já estamos evitando determinadas situações porque a coisa está começando a fazer mal para gente. Tem horas que. Por mais bem resolvidos estamos com a nossa ESCOLHA, tem horas que começamos a questionar o caminho que tomamos. Aí bate a bad e então a gente senta, conversa e vemos que o problema não é nosso e que a escolha está mais do que correta. Gente, eu escuto cada asneira sobre ter filhos que a vontade é mandar catar coquinho (para diminuir os palavrões aqui desse texto, tá bom!).

– Não acham que já está na hora?
– Olha a idade!
– Você não pensa nos seus pais querendo ser avós?
– Não se preocupa com seu corpo?
– Se demorar fica mais difícil…

Vamos ter filhos na hora que acharmos certo termos. Pode ser amanhã, mês que vem, daqui a 5 anos ou nunca. Se eu não for mais capaz de gerar uma criança, eu posso adotar. Ter filhos e diferente de ser verdadeiramente pai/mãe. E isso as pessoas que cobram não entendem, acham que é fácil colocar um bebê no mundo. Ter filho qualquer um pode ter, porém o que mais vejo por aí são crianças criadas por pessoas que só queriam ter filhos, mas não estava prontas ainda para serem pais. Filho não é brinquedo, eu não posso devolver, eu não posso doar, eu não posso passar para frente. É para sempre! Parem de cobrar, de achar que está na hora da família crescer que o outro já está apto a ter filhos. Só o casal sabe a hora certa de ter um bebê. Não queremos só ter filhos. Queremos ser pais, ver uma criança crescer, educar e fazê-la feliz da melhor maneira possível e para isso é preciso muita dedicação a abnegação para que seja feita da maneira correta.

Pensando em tudo isso, vendo o que eu sinto na pele e o que muitos outros casais conhecidos ou não também sentem decidi colocar aqui os diversos motivos nos quais casais decidiram não ter filhos ou ainda não estão prontos para perpetuar a linhagem.

  • Eles não querem ter filhos – Simples assim. Não querem ter e ponto final. Parem de encher o saco.
  • Não gostam de crianças – o casal não cogita a ideia porque não gostam de crianças e isso é um direito deles (contanto que não saiam maltratando crianças por aí, está tudo bem!)
  • Não podem ter filhos – vocês que ficam perguntando quando vem bebe, já pararam para pensar na possibilidade do casal ser estéril? E o quanto doloroso deve ser ficar ouvindo as perguntas e a pressão da família, dos amigos e da sociedade, principalmente se ter filhos era o grande sonho do casal? Não sejam essas pessoas desagradáveis na vida deles. Todo o processo já doloroso demais não precisam passar por isso também É muito chato ficar dando sorrisinhos amarelos e depois ir para casa e chorar no canto.
  • Momento certo – eu falei em um outro texto meu que “não há momento certo pois ninguém é igual. Ninguém vive uma rotina igual do outro. O meu momento certo é diferente do momento certo de outra pessoa”. Então não vem com essa história de “já está na hora” para o casal porque o que você acha que é, não é.
  • Estão passando por um tratamento de saúde – muitas doenças possuem tratamentos altamente agressivos e com usos de remédios que proíbem a gravidez por conta da possibilidade de má formação fetal. Vou dar o exemplo da Psoríase que é uma doença que tenho: se eu tiver que passar para um novo estágio de tratamento o meu médico já avisou que vou ser obrigada a tomar anticoncepcional e não posso cogitar ideia contrária. É obrigatório não pensar em engravidar
  • Não querem colocar filhos para terceiros criarem – o mundo é outro, pessoal. E ter filhos hoje significa abrir mão de muita coisa. Minha mãe teve que parar de trabalhar para cuidar de mim e do meu irmão, porque não havia ninguém para ficar com a gente. Eu não quero ter filhos para deixar na creche, na escola, com babá, com familiares. Não estou criticando, nem julgando quem faz isso, pois como disse anteriormente cada pessoa sabe o que é melhor para si e para o seu filho. Na vida, na rotina que tenho hoje, se eu quiser ter filho, vou ter que parar de trabalhar. Mas se eu parar de trabalhar, não vou ter condições ter filhos. Estão pegando a situação.
  • Não estão preparados psicologicamente para ter filhos – se eu tiver filhos nesse momento, com TOTAL certeza que sofrerei depressão pós-parto, porque eu nem sei ainda o que quero da minha vida quem dirá colocar mais uma pessoa nesse mundo para passar pelos mesmos perrengues psicanalíticos que eu. Sério, estou fazendo um favor para humanidade em escolher não ter filho agora.
  • Estão vivendo a melhor fase da vida conjugal – sabem porque muitos casamentos não dão certo? O casal não estava preparado para o +1 na matemática deles. Sou do time que os casais precisam do seu tempo para se encontrarem como casal realmente. Casamento não é fácil e os primeiros anos são os piores. As adaptações, as diferenças e as manias e diferentes rotinas ainda estão se ajustando. Mexer nessa matemática pode ser prejudicial. Quando tudo isso estiver acertado, aí podemos sim ajustar a matemática e transformar o 1+1 = 3 ou 4 ou 5 ou ….
  • Ser pai/mãe é diferente de apenas ter um filho – sim! Ter filho todo mundo pode ter, é fácil e todo mundo sabe como acontece. Mas nos tornarmos pais é algo que precisa estar no coração, na vontade. É claro que isso às vezes, precisa ser forçado a aparecer quando uma gravidez não esperada surge. Tenho conhecidos que sempre sonharam em ser pais e são pessoas maravilhosas para seus filhos. Também há os que ainda não estão prontos, mas que serão excelentes pais. Conheço um monte de gente que se descobriram grávidos sem estar prontos e tornaram pais excepcionais. E também há outros que nunca deveriam ter colocado filho no mundo porque simplesmente não sabem o que é de verdade maternidade/paternidade.
  • Estudo, Trabalho e carreira – tem casal que está focado nos estudos no momento. Aqui em casa, estamos pensando em especialização, MBA e outros cursos para complementar a minha formação. Ainda temos planos de fazer um intercâmbio ou morar fora. E com uma criança, o que já é bem complicado, fica pior.
  • não vamos ter filhos porque outra pessoa quer – uma das coisas que já ouvimos é “você não pensa na sua mãe?” e “Sua sogra não quer um netinho?” Eu apenas quero saber se essas pessoas estarão lá na hora que a criança acordar no meio da noite? Se irão cuidar para eu podermos sair a noite? Não vamos ter filhos porque a familia está exercendo uma pressão. E isso também serve para o casal: se um não quer dois não brigam e a pior coisa é ter filho porque o outro está desejando. OS DOIS precisam querer. Para que essa criança venha ao mundo amada de forma igual.
  • Financeiramente incompatíveis – depois de casar, comprar casa, reformar, com total certeza o casal está falido e estão mais é querendo quitar as dívidas, empréstimos, financiamentos ou fiados no armazém da esquina. Se podemos escolher estabilizar as contas para planejar uma criança, então a gente prefere esperar. Ter filho é um gasto e não é nada barato.
  • O mundo – concordam comigo que o mundo está uma bosta de se viver e vocês não acham que é muito egoísmo meu, querer colocar mais um para viver toda essa deprê que é a vida. Ja basta eu ter que lidar com essas coisas todas.  essa coragem.
  • Outros projetos – a gente aqui está com tantos outros objetivos para nossa vida, planos, sonhos que queremos realizar. E filhos não está no combo.
  • E tantos outros motivos que só os casais sabem quais são, porque como disse anteriormente: cada casal sabe o que é melhor e qual é o momento correto de se tornarem uma família.

Bom, agora que vocês já sabem os possíveis motivos para um casal não ter tido filhos ainda, eu quero apenas dizer para essas e tantas outras pessoas: Parem de perguntar sobre filhos aos casais. Não precisam ficam importunando com essa pergunta que enche a por** do saco. Perguntem para onde será a próxima viagem que estão planejando, sobre a economia mundial, sobre o curso que estão querendo fazer, sobre como tem sido a vida de casado, sobre a a influência de Lakan na vida das formigas do interior da zona sul do Timor Leste e a consequência disso para economia doméstica das pequenas produtoras da região. Sei lá, mas não perguntem sobre filhos: é chato, desagradável, inoportuno, inconveniente, deselegante.

Clarooooooo, que imprevistos acontecem né?!?! E que todas essas razões para os casais não terem filhos ou não terem tido ainda caem por terra no momento que se descobrem grávidos. A minha mãe fala que para tudo tem jeito, menos para morte. No momento, o plano  é não ter filhos. Se acontecer um imprevisto, paciência e muda-se o plano. Mas se podemos controlar pelo menos isso na nossa vida, então que seja. Não estamos nesse mundo para exclusivamente procriar! Estamos nesse mundo para viver. Com filhos ou sem eles. A paternidade/maternidade é linda é maravilhosa. Nós sabemos que é. Só não é para a gente agora e para milhares de casais por aí .

Eu quero muito (estou mentalizando, tá minha gente) que todos os casais que estão desejando ter filho nesse momento consigam realizar esse sonho. É sério, porque vocês são merecedores. E que todos os casais que não querem ter filhos que parem de ser importunados com essa triste inconveniência da sociedade e das pessoas que os cercam e que deveriam ser as mais solidárias e respeitosas. E que vocês, após chegarem até aqui na leitura desse texto (guerreiros!) apenas parem. Parem de perguntar sobre filhos aos casais!


Mil beijos e até mais!

P.S.: Fiquem tranquilos que quando ficarmos grávidos, contaremos aqui para vocês. Mas é no futuro, vai demorar, tá! Tenham paciência e não nos perguntem mais.

Créditos da imagem: Pexel

Veja também

1 comentário no blog
comentários pelo Facebook

  • Reply Elaine Gaspareto 27 de agosto de 2017 at 17:35

    Karin, acredite em mim, chega uma hora que isso pára. Demora, no meu caso levou mais de 15 anos, mas parou. E umas respostas mais assertivas de vez em quando ajudam a espalhar que a gente não quer ser perturbada pela expectativa alheia. Uns 4 parentes/amigos mais faladores receberem a resposta assertiva tipo “isso é da conta minha e do meu marido, e de mais ninguém” acaba por fazer a família, os amigos, os vizinhos e os conhecidos dos amigos dos vizinhos pararem.
    Vem cá, eu te abraço. Sei exatamente o que vc passa.
    beijosss

  • Deixe seu comentário