Ode ao Long Bob

12 de setembro de 2016

IMG_6310

Cortei e mudei! Acho que isso vocês já perceberam, pois tem mais de um mês que isso aconteceu. Mas só consegui contar um pouco mais sobre isso agora

Depois de alguns meses (ou seria anos??) com as madeixas de tamanho médio e longo, decidi cortar curtinho (ou quase curtinho!).

IMG_6311

Já estava louca para cortar o cabelo. Falei aqui nesse post sobre a relação de amor e ódio que eu estava passando com ele.

Sabe quando você está cansada de olhar no espelho e ver que algo não está muito bom, apesar de se achar a mulher mais linda do planeta? Então era isso que eu sentia

Sempre quis ter cabelo grandão, mas nunca tinha por vários motivos: a psoríase, a preguiça de cuidar, a agonia que sentia no verão por causa do calor, o fato do cabelo grande dar a impressão de me deixar “achatadinha” e outras coisas que a gente adora colocar como desculpa.

Mas aí decidi deixar todas essas coisas de lado e ser feliz com o cabelão.

Long Bob

E fui muito feliz! Me sentia poderosa com as minhas madeixas esvoaçantes por aí. Gostava dos elogios pelos cabelos (apesar de achar que eles não estavam tão bonitos assim), das possibilidades que eu tinha com ele. Sei lá, me sentia mais jovem, dava um ar de adolescente que eu nunca queria perder.

Esse sentimento de amor foi imperando até o momento que os problemas começaram a superar a felicidade.

E então os problemas que o cabelo grande trazia passaram a dominar todo o meu ser e o meu dia a dia.  Eram os fios espalhados por toda a casa. Literalmente. O fato de estar gastando um pouco mais do que o pretendido para deixá-lo bonito (e que no final não estava surtindo muito efeito) me incomodava. O cabelo começou a dar um nós estranhos bem na altura da nuca. Não tinha paciência para escovar, então começou a ficar muito quebrado e as pontas duplas surgiram. Não conseguia secar e modelar pois estava muito grande e eu sem paciência. E para completar eu não estava conseguindo controlar a psoríase.

Além disso tudo, eu não me sentia bem me olhando no espelho. Já estava cansada daquela cara, de estar sempre com o mesmo penteado. Enjoada na verdade, precisava mudar um pouco.

IMG_6382

Foi então que decidi dar um ponto final nessa agonia. E fui cortar.

Eu já sabia que queria um corte curto, diferente de tudo que já havia cortado. Queria algo mais moderno e prático. Praticidade era o meu fio condutor nessa empreitada. Na verdade, há muito tempo eu tinha o plano de cortar curto, só não sabia quando. E por isso ia mantendo um board no Pinterest só com modelos de corte de cabelo (e penteados também) que eu curtia e desejava como inspiração.

A escolha foi pelo Long Bob, o corte do momento. O escolhido de 9 em cada 10 pessoas que querem renovar o visual no cabeleireiro. Inclusive eu.

Até pensei em fazer a versão Double Long Bob (que é o mesmo corte, porém mais comprido), mas deixei para lá porque a ideia era sair da zona de conforto. Fui no salão depois de uma longa jornada que fiz em SP (papo para outro post) e cortei. Sem dó, nem piedade. Foi a maior sensação desapego da vida, pois foram embora mais de 15 centímetros de cabelo.

Tinha que ver a alegria da cabeleireira quando finalmente, depois de anos cortando “as pontinhas”,  conseguiu dar um corte bacana nos meus cabelos.

IMG_6469

Agora estou aqui com o meu corte ~modernoso~ que estou amando e com várias ideias de penteados e loucuras que posso fazer com ele. Não sei como demorei tanto para cortar desse jeito, o que me prendia tanto àquele cabelão que amava muito, mas no final da relação, não estava sendo funcional e belo.

A cereja do topo foi fazer essa pequena ~autosessão~ de fotos divertidas que vocês estão conferindo nesse post (foi no mesmo dia das fotos do aniversário). Estava precisando dela. Sério, se vocês tiverem como, façam sessões de fotografia. Pode ser selfie, pode ser em casa, na rua, sozinha, com a ajuda da amiga, mãe, namorado. Do jeito que for.
Apenas façam! Parem um pouquinho e se fotografem. É um favor M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O que podem fazer para si. Levanta o ego e a moral, além de aprender muito sobre si. Façam e depois me digam o que acharam.

IMG_6430

Ahhh! A mecha cortada foi doada. Essa era uma vontade minha. Acho um desperdício de cabelo, de tempo e de vida ter que jogar mais de um palmo de cabelo no lixo. A instituição escolhida foi a Rapunzel Solidária.

Feliz com o corte novo!


Mil beijos e até mais!

 

31 anos

8 de setembro de 2016

31 anos

Sim, você não leu o título desse post. Estou completando 31 anos de idade. Exatamente hoje 08 de setembro de 2016.

31 anos!

31 anos, mas me sinto com 21!

IMG_6323

Sério, eu às vezes me sinto com muito menos idade do que realmente tenho. Para falar a verdade parece que ainda não vivi os meus 20 anos e que agora que ele está acontecendo. Acho que isto está relacionado com o fato de que o tempo está passando muito rápido. Não tenho vergonha, não me sinto pressionada a fazer coisas que não cabem mais eu fazer porque eu tenho mais de 30 anos. Faço o que eu bem entender, porque a vida ela é curta demais para não fazer as coisas que desejo e sonho ser ou fazer.

IMG_6376

Lembro de quando eu tinha 15, 16 anos e ficava imaginando como seria minha vida aos 30. Juro! Era bem diferente na minha imaginação. Não fico triste por isso, nunca estive tão bem comigo mesma como estou agora. Mas madura, mas compreensiva sobre o que sou e pelas minhas escolhas, tentando me conhecer melhor, saber realmente quem e o que sou. Claro que rola umas bad vibes de vez em quando, mas acho que isso faz parte dessa coisa toda chamada vida adulta, principalmente para mim, jovem moça pertencente a geração x.

IMG_6358

Eu tenho muito o que agradecer nesse ano, para muitas coisas. Olhando para trás, para as coisas que conquistem nos últimos meses e anos, o sentimento que impera dentro do meu ser é o de gratidão. Sou grata a muitas coisas e acho que quando alimentamos esse sentimento, mais coisas boas acontecem para nós.

IMG_6350

Me diverti tanto fazendo essas fotos. Tive a ideia da sessão de fotos inspirada em alguns posts comemorativos que a Melina fez lá no blog dela.

Foi muito legal e teve momentos que trocava a posição dos números ou deixava-os ao contrário. Nesse momento, eu e Eduardo lembramos de um trecho da música do Offspring, Pretty fly (for White guy):

Now he’s getting a tattoo, yeah, he’s gettin’ ink done.
He asked for a “13” but they drew a “31.”

IMG_6430

Não tenho muitos planos para esse dia. Irei descansar (já que estarei de folga) farei algumas coisas em casa e a noite irei fazer um happy hour com amigos e marido. Tudo bem normal e tranquilo.

Queria fazer um festão, pois sou das festas. Só que ainda não será esse ano.

 

IMG_6426

É claro que tenho muitos planos para os próximos 365 dias que estão por vir. Estou cheia de ideias e sonhos que quero por em prática. E espero que, de coração, eu consiga realizá-los. Vou aproveitar também e desejar muitas coisas boas para vocês nesse novo anos que se inicia em minha vida.

Desejo tudo de bom para mim e para vocês. Pois tudo o que desejamos para o próximo retorna em dobro para gente. E quando é coisa boa, retorna em triplo. rsrsr.

IMG_6409

Obrigada pelo carinho e pela companhia de todos por aqui e por todas as redes sociais!

Feliz aniversário para mim!


Mil beijos e até mais!

Não gosto de montanha-russa

27 de agosto de 2016
montanha-russa

Dia que experimentei uma montanha-russa e não gostei

Sim, você não leu errado o título desse post. Eu não gosto de montanhas-russas.

Depois de muitos anos me fazendo de descolada, cult, radical, que curte uma aventura e adrenalina, decidi falar que: não, não curto montanhas-russas.

Descobri que gosto mesmo é de ficar encolhidinha, na minha cama quietinha, quentinha, sem precisar sentir o meu corpo chacolhando e sem a sensação que meu cérebro descolou da medula espinhal.

Claro que esses sentimentos (a noção disso) só apareceram depois de muitos anos, quando finalmente pude ir em uma. Fui a única adolescente da época (se achando a diferentona. Sei que muitos também não foram, mas me deixem!) que não visitei o Terra Encantada e assim não tive o privilégio de saber a sensação de uma montanha-russa de verdade.

A experiência foi quando fui ao Hopi Hari e o primeiro brinquedo foi a montanha-russa (de madeira, para piorar!) e me vi em uma das piores experiências aventurescas da vida.

Sério! Aquele brinquedo estragou o resto do passeio. Claro que não falei aquilo na hora, não queria estragar o dia das pessoas que me acompanhavam. Continuei a visita pelo parque, mas sei que não pude aproveitar nenhuma outra atração como deveria (além do calor que também atrapalhava toda a experiência).

Só sei que depois desse dia nunca mais quis ir me aventurar em mais uma (e também porque nãorolou a oportunidade).

” – Mas Karin, o que você vai curtir quando for a Orlando ou a lugares com muitos parques?

Provavelmente uma montanha-russa. Porque a vida foi feita para superar medos, minha gente! E to aqui nesse mundo para superá-los ou ter a total certeza que não fui feita para a coisa.

Mas se nos aprofundarmos mais nessa questão da montanha-russa isso irá revelar muito mais da minha personalidade do que imagino. Sou uma pessoa que acho máximo a adrenalina, mas tenho medo dela. Saltar de paraquedas? Uhuuu! Com tanto que não seja eu!

Talvez seja por isso que muita coisa em minha vida que precisa de uma pouco mais de ação, agilidade e muito frio na barriga eu não consiga embarcar. A zona de conforto ainda é o meu porto seguro e sair dela é necessário muita montanha-russa que acho que não sou capaz de suportar. Ou, fazendo uma analogia, achar que a experiência Hopi Hari é aquilo que sempre terei em se tratando de mudanças: muita adrenalina, muita aventura e no final, nenhum divertimento e muita dor de cabeça.

Tenho medo das montanhas-russas porque tenho medo de falhar ou de não dar certo. E não sei lidar muito com a frustração que está sempre me fazendo rumar para a zona de conforto, onde sei que é seguro e os erros e obstáculos não costumam aparecer.

A zona de conforto, minha gente, ela te domina, igual o simbionte alienígena domina o Peter Parker. E às vezes fica difícil se livrar das garras dela. E os planos, sonhos e desejos são postergados cada vez mais. E vivo nesse mundo de estagnação que está mais para um roda gigante: você sabe exatamente quando sobe ou quando desce, sem surpresas

Muita gente diz para não ter medo, que a montanha-russa faz parte da mudança. Mas será que não há um caminho alternativo? Até tem, mas é ilegal e imoral e dessa forma não tenho muito interesse, não. Também sei que não posso tirar de uma vivência, todas as outras que terei. Talvez em um próximo passeio, em uma montanha-russa diferente, em um parque diferente, a experiência será tão prazerosa e animadora que não lembrarei da primeira e vou querer repetir a dose milhões de vezes.

Talvez eu esteja precisando de uma montanha-russa.


Mil beijos e até mais!

Bienal do Livro SP 2016 | Eu vou

26 de agosto de 2016

IMG_3548

Olá pessoal!

Hoje começa a Bienal do Livro São Paulo 2016, algo que para quem é muito fã de livros e de histórias aguarda ansiosamente todos os anos (ou a cada dois anos, caso não haja oportunidade de ir também na do RJ) por esse momento.

Vou à bienais do livro acho que há quase 20 anos. Sempre foi um passeio divertido e interessante para mim que acho encantador ter tantas editoras e tantos livros juntos em um único espaço.

Eu já fui em duas edições da Bienal do Livro de SP. A primeira (2012) eu relatei nesse post aqui. A segunda (2014) eu não fiz postagem, pois não pude aproveitar tanto a feira como eu gostaria (trabalho e faculdade).

Mas, porém, contudo, entretanto e todavia. Nessa edição decidi aproveitar o máximo que eu puder (e que o meu corpo aguentar!). Quero encontrar leitores, conhecer novos blogs literários, saber as novidades do mundo literário, saborear livros, fazer muitas fotos e devo fazer alguns vlogs também. Estou animada com a feira, mas um pouco chateada, pois estou achando-a muito fraquinha com a ausência de grandes editoras que não estarão com stand para o evento. A bienal do Livro do RJ ainda continua sendo a maior do Brasil com uma presença bem mais significativa.

Já falei em posts anteriores que a Bienal do Livro é importante para a interação editoras-leitores e autores/leitores, além de ser um espaço para fazer negócios que a maioria dos visitantes nem sabem que ocorre. Para o Mercado Editorial é o momento de fazer network: conhecer novos autores, fechar possíveis contratos, discutir novas tendências, entre outras coisas. Então, não achem que a feira é um ótimo momento para esvaziar os bolsos e voltar cheia de livros para casa. A bienal do livro (seja a de Sampa ou de outra cidade) não é e nunca será barata para comprar. É preciso muita garimpagem para sair com boas aquisições que não pesem tanto no bolso.

Primeiro dia de aula

Agenda Bienal do Livro SP 2016

Estarei na bienal quase todos os dias de evento e também em alguns outros fora da feira. Montei um pequeno cronograma para me organizar. Essa agenda servirá como guia e pode sofre algumas mudanças.

  • 26/08 – Sexta-feira
    • Primeiro dia de visitação – chegarei depois das 14:30 para ver os stands, as novidades, encontrar os amigos, tirar muitas fotos e muito mais
  • 27/08 – Sábado
    • 18h – Autógrafo Juliana Parrini
    • 20h – Autógrafo Jennifer Niven/Ava Dellaira
    • 20h – BIENIGHT na ARENA CULTURAL
  • 28/08 – Domingo
    • Descanso
  • 29/08 – Segunda-feira
    • Bate-papo Blogs de Letras. Não estarei no Anhembi nesse dia
  • 30/08 – Terça-feira
    • 17:00 – Bate-papo Thalita Rebouças/Paula Pimenta/Bruna Vieira/Babi Dewet
  • 31/08 – Quarta-feira
    • Descanso
  • 01/08 – Quinta-feira
    • Descanso
  • 02/08 – Sexta-feira
    • Encontro de blogueiros da Universo Livros
  • 03/08 – Sábado
    • 09h – Encontro de blogueiros da Intrínseca
    • 19h – Autógrafo Becky Albertalli
  • 04/08 – Domingo
    • Descanso – vou aproveitar esse dia para gravar Book Haul especial da bienal e editar os vídeos de vlog.

Dicas para aproveitar a feira.

Muitos blogs e canais literários tem dado dicas para poder aproveitar bem a feira:

Eu particularmente tenho algumas dicas pessoais que uso nesses quase 20 anos de feiras:

  • Um ótimo horário para fazer a visitação é durante a semana no final da tarde para noite. Nesse horário, a feira fica mais vazia sem a visitação escolar e dá para ver os stands com calma. Se o seu objetivo com a feira não envolve ver os autores, pegar autógrafos, participar dos eventos dentro da bienal (e se você pode fazer isso por conta do horário),  fuja dos finais de semana.
  • Faça uma lista dos livros que você quer adquirir, para não se perder nas tentações. Pesquise os preços em lojas online e verifique se vale a pena comprar na feira. Geralmente as livrarias online fazem várias promoções durante o período da bienal. Amazon está fazendo o Book Friday hoje com muitas ofertas e preços camaradas.
  • Use roupas confortáveis, tênis e leve uma garrafa de água, comida e snacks com você. Mochila é sempre bem vinda para carregar as aquisições É sério! Você irá precisar dela para carregar os livros, a comida, os marcadores de página e tudo mais.
  • Cuide bem dos seus pertences. Existe gente errada em qualquer lugar. Mantenha dinheiro e objetos de valor sempre sob cuidado.
  • Aproveite para conhecer novos livros, gêneros e editoras. Não esqueça de pegar os brindes como marcadores de páginas e bottons que as editoras disponibilizam nos stands.

Espero poder encontrar os leitores do blog pelos corredores. Quem me encontrar pode pedir marcadores de páginas do blog que estarei distribuindo. Também estarei publicando as novidades via Instagram (@kakaparedes) e Snapchat (kakaparedes) .


Mil beijos e até mais!