Aquele do relógio

15 de agosto de 2011

relógio

O meu aniversário de 8 anos foi um dos mais legais que já tive. Lembro que a Paula fez uma festa temática com todo o cuidado e carinho para comemorar: “Festa das Margaridas”.

Era tudo em flores; margaridas, rosas, violetas, trevos. Ela preparou tudo: painel, enfeites, lembrancinhas, tudo. Havia 3 bolos: 2 em formato de flores e outro no formato de trevo de 4 folhas. Tudo muito colorido.

Lembro da grande diversão que foi essa comemoração com alguns dos amiguinhos da época e muita brincadeira e comida. coisas de festa de criança.

Mas o que mais me lembro desse aniversário. foi o presente que ganhei da Paula: um relógio

Só que não era um relógio qualquer. Para mim, era O Relógio. Ele era todo preto, com detalhes em branco azul e vermelho. ele era de ponteiro e o achava simplesmente lindo. Nossa, como eu o adorava. Me sentia importante usando ele.

Com o passar do tempo e de uso ele foi se deteriorando e acabou perdido e esquecido dentro do armário, naquelas caixas que guardamos coisas que não servem mais para gente, mas que não conseguimos jogar fora ou nos desfazer.

Até que um dia, eu o encontrei e dicidi que iria reformá-lo. Então passei a usá-lo. Novamente.

Não sei explicar o amor que tenho por esse relógio. É uma daquelas coisas que você pega e tem sentimentos e sensações. Eu o vejo e lembro na hora da minha infância. É um daqueles objetos que fazem parte da gente.

Semana retrasada comprei mais um relógio e logo lembrei do meu querido pretinho e fui procurá-lo. Troquei a bateria e estou com ele no braço agora.

Estou precisando de um pouco de alegria de infância. Me sentir importante.

relógio

Há 18 anos comigo


Veja também

Nenhum comentário no blog
comentários pelo Facebook

Deixe seu comentário